fbpx

Ajude este site a continuar gerando conteúdo de qualidade. Desative o AdBlock

Better Call Saul 3×06 – Revolução de Branding

Better Call Saul 3×06 – Revolução de Branding

Matheus Fiore - 16 de maio de 2017
O episódio de Better Call Saul 3×06 – Revolução de Branding é precedido por 3×05 – Sacanagem e sucedido por 3×07 – Despesas. Para ler a análise do anterior, clique aqui. Para ler a do seguinte, aqui.

A cada semana, Better Call Saul se distancia mais de Breaking Bad como spin-off, mostrando-se uma série muito mais madura e corajosa narrativamente. Ao mesmo tempo, notamos que a trama se aproxima exponencialmente do seriado protagonizado por Walter White. Não só pela aparição de personagens da trama de Heisenberg, como Gustavo Fring, Don Eladio e, em Off Brand, Krazy-8, mas pela iminente ruptura que seus personagens contemplarão em breve.

Nos episódios anteriores da temporada já vimos Jimmy, aos poucos, ter seu momento “breaking bad” (em tradução literal: rompendo para o mal; em uma porca: chutou o balde), iniciado quando o personagem de Bob Odenkirk rasga a fita na parede de seu escritório em TestemunhaAgora, vemos a continuação direta de sua história ao mesmo tempo que vemos a construção da mesma ruptura na vida de Nacho.

Em Off Brand, acompanhamos Nacho Varga trabalhando como “capanga” de Don Hector Salamanca. Como esperado, não é uma tarefa lá muito agradável, já que Hector é um sujeito arrogante, enxerido e ganancioso. No começo do episódio, vemos Varga trabalhando na loja de confecção de seu pai. Distraído, Nacho acaba se ferindo na máquina de costura. Ao entendermos posteriormente que Salamanca pede ao rapaz para utilizar a empresa de seu pai como fachada para transportar seu dinheiro, compreendemos que o incidente simboliza a chegada da violência na vida do pai de Varga, trazida por Salamanca.

Na imagem, notamos a profundidade graças às diferentes camadas. Há, na frente, o plano do balcão, depois a parede com ferramentas, a parte interna da loja, pintada com uma iluminação amarela, e então, no fundo, uma pequena sala onde Nacho trabalha. Ao estabelecer tal profundidade, a direção nos mostra que tal ocupação é a parte mais íntima da mente do personagem, onde ele se relaciona com sua família, no negócio de seu pai. Ver, então, Hector entrando nesta ala pessoal do personagem, é expor a fragilidade de Varga e o por em perigo.

Já após o conflito entre os irmãos McGill, vemos Chuck trancafiado em sua casa, consumido pelas sombras e visível apenas pela presença de uma luz azul, que exprime a tristeza não verbalizada do personagem após sua derrota moral. Mais do que perdedor, aliás, Chuck agora se sente exposto, por ter permitido aos presentes na audiência ter um vislumbre de seu sórdido caráter.

Também destaca-se aqui o uso da câmera na mão para criar irregularidade, além das cores distorcidas e iluminação forte, estabelecendo duas coisas. A primeira é que, mesmo que não exista biologicamente, a condição de Chuck McGill é, para ele, em sua mente, real. A segunda é que, por ser real, algo que faz o personagem sair de casa provavelmente terá suma importância no andamento da série. Quanto a este arco, podemos apenas palpitar e aguardar pelas revelações que virão nas próximas semanas

O mais incrível de Off Brand, porém, chega de surpresa, que é a participação de Saul Goodman na série que leva seu nome. Sim, o protagonista de Better Call Saul fez, no sexto episódio da terceira temporada, sua primeira aparição. Se cada episódio da temporada era um indício da transformação de Jimmy em Saul, aqui vemos, finalmente, como “a ocasião fez o ladrão”. Impossibilitado de advogar durante 12 meses, Jimmy recorre à outros meios para manter-se financeiramente sob a alcunha de… Saul Goodman.

A semente foi plantada. Agora, a tendência é vermos como Saul passará de alter ego de ocasião para a persona dominante no lugar de Jimmy McGill. Não é fácil suceder um episódio tão acachapante quanto Sacanagem, Off Brand tira o desafio de letra ao nos trazer, finalmente, o trapaceiro Saul Goodman.

Topo ▲