fbpx

Ajude este site a continuar gerando conteúdo de qualidade. Desative o AdBlock

Girlboss 1×09 – Gráficos do c*cete

Girlboss 1×09 – Gráficos do c*cete

Gustavo Pereira - 22 de abril de 2017

“Gráficos do c*cete” é precedido por “A viagem”. Para ler a crítica do oitavo episódio de Girlboss, clique aqui.

Esse episódio é tão bom que quase me fez revisar as notas dos anteriores. Ele tem absolutamente tudo o que um espectador de sitcom espera ver. Tem até homenagem a Tom & Jerry (bem óbvia, aliás).

“Não é pra isso que um fiador serve, não é?”

Com o negócio em ascensão, Sophia não pode mais usar o próprio apartamento como estoque para as roupas que vende. Se faz notável a forma cômica com que uma questão rotineira é abordada: mulheres não são levadas a sério pelos homens. E todos os esforços de Sophia em “Gráficos do C*cete” (não sabia que “cacete” era palavrão) são para que ela seja levada a sério.

Isso se faz necessário quando o dono do imóvel, que dez segundos antes estava disposto a matar cachorros para alugar o espaço a um homem, “não vê confiança” numa mulher disposta a adiantar três meses de aluguel em dinheiro. Como ela precisa de um fiador para assinar o contrato de locação a única opção viável, mesmo a contragosto, é procurar seu pai.

O esforço de Sophia para montar um plano de negócios é admirável (mais uma vez, Netflix: obrigado por falar de assuntos técnicos de forma simplificada, mas correta). E é nessa “reunião de negócios” que fica clara a dinâmica da relação entre os dois. É um caso particular, mas Sophia acaba representando todas as mulheres que tentam vencer numa sociedade regulada por homens.

Quando pedir um favor ao seu pai envolver roupa social e o(a) namorado(a), corra

O propósito da crítica não deve ser resumir o episódio, então me atenho a um “a forma como acabou foi melhor do que a forma como poderia ter acabado”. A mensagem de conclusão (dita literalmente, para não ficar nenhuma dúvida), deveria ser reproduzida num telão diariamente para que todas as mulheres do mundo vissem. Texto maravilhoso de Jen Braeden.

Pela primeira vez tive vontade de ler o livro de Sophia Amoruso: uma figura como Burt Coyote é pitoresca demais para ser de verdade

“Gráficos do c*cete” faz os oito episódios anteriores terem valido a pena. Para assistir a todos, clique aqui. A crítica do décimo episódio, “Fórum de Moda Vintage”, está aqui.

Topo ▲