fbpx

Ajude este site a continuar gerando conteúdo de qualidade. Desative o AdBlock

Vice

Vice

Não é preciso romper estruturas para destroçar o status quo

Gustavo Pereira - 19 de janeiro de 2019

Num país que mal se livrou de Michel Temer, a premissa de “Vice” parece um chá da tarde numa quarta monótona. “Mas Dick Cheney sequer derrubou Bush” é um questionamento válido. O que o filme de Adam McKay (“O Âncora” e “A Grande Aposta”) faz é montar um quebra-cabeça de eventos para explicar como (e porque), sem romper com as estruturas institucionais em nenhum momento, Cheney (interpretado brilhantemente por Christian Bale) basicamente destruiu o status quo do mundo e redesenhou a geopolítica do século 21. E tudo isso sem ser notado. O Brasil pode não ser para amadores, mas Cheney também é um profissional de assustadora competência.

Vice Christian Bale Dick Cheney Adam McKay Amy Adams Sam Rockwell Steve Carell George Bush

A primeira sequência de “Vice” associa o caos do 11/09 à noite em 1963 quando um então jovem Dick foi preso por dirigir embriagado em Casper, Wyoming. A ligação entre os eventos, num primeiro momento inexistente, se mostra a seguir: nas duas oportunidades, Cheney encontrou no “fundo do poço” a oportunidade perfeita para emergir triunfante. Ao longo das mais de duas horas de projeção, essa astúcia – ora senso de oportunidade, ora puro oportunismo – constrói um protagonista ao mesmo tempo capaz de faturar com a desgraça de milhares sem ao menos piscar e, ainda assim, surpreendentemente humano. Só um pouco humano, é verdade. Mas humano.

Essa humanidade aflora de forma sutil. Logo após sair da cadeia, Cheney é cobrado por Lynne Vincent (Amy Adams, também soberba) para que se torne “alguém”, ou ela o abandonará. É interessante notar como McKay a filma de baixo pra cima, deixando-a claramente em uma posição de poder sobre o então noivo. Ela é a única figura que se impõe sobre Cheney durante o filme e fica evidente que toda a jornada do futuro Vice-Presidente mais poderoso da História é o cumprimento da promessa feita naquele dia à amada. O cinematógrafo Greig Fraser ilumina Lynne frontalmente com a luz vinda da janela, deixando as feições de Dick, iluminado pelas costas, semiocultas. Naquele momento, o “homem silhueta” é forjado, a figura que exercerá um poder nunca antes visto sem aparecer sob nenhum holofote.

Vice Christian Bale Dick Cheney Adam McKay Amy Adams Sam Rockwell Steve Carell George Bush

“Vice” funciona pela sua montagem. Hank Corwin (que reedita a parceria com McKay após “A Grande Aposta” e trabalhou com Terrence Malick em “A Árvore da Vida”) justapõe passagens da vida de Cheney antes e durante seu mandato de VP, fazendo o passado justificar o presente, ou associações livres sobre a forma que Cheney via certas situações, como os termos impostos a George W. Bush (Sam Rockwell, no melhor trabalho de sua vida) para aceitar ser seu companheiro de chapa eleitoral e a tortura em Guantánamo. Também, a exemplo de como fora feito em “A Grande Aposta”, há quebras de quarta parede, “notas de rodapé” explicando “áreas cinzentas” da legislação americana, contextos históricos e consequências diretas de feitos de Cheney ao longo de sua trajetória (que não foi curta: Chefe de Gabinete da Casa Branca, Deputado e Secretário de Defesa).

Outro triunfo de Corwin é o de unir personagens pelos seus sentimentos. Quando Bush anuncia à nação o primeiro bombardeio contra o Iraque, a câmera flagra que, por baixo da mesa do Salão Oval, o Presidente está batendo o pé nervosamente. Ao mesmo tempo que Bush fala a seus compatriotas, uma família em Bagdá se esconde embaixo de uma mesa, com o pai batendo o pé da mesma forma. Ambos são vítimas da trama do Vice-Presidente, mas a bomba que explode e mata aquela família deixa bem clara a visão de McKay sobre quem são as verdadeiras vítimas.

Vice Christian Bale Dick Cheney Adam McKay Amy Adams Sam Rockwell Steve Carell George Bush

Essas escolhas fazem de “Vice”, em última análise, um filme shakespeariano. A referência mais direta, ainda que não tenha nenhuma citação literal, é a “Ricardo III“, o rei da Inglaterra que chegou ao poder usurpando o direito dos próprios sobrinhos. Há espaço para comédia, como o “final alternativo” do filme; drama, como o momento em que Dick precisa escolher entre poder absoluto e família; “terror naturalista” quando percebemos a dimensão do poder do protagonista e suas intenções de usá-lo. “Vice” deixa um gosto amargo na boca, pois a única pessoa que sempre soube das consequências de seus atos era o próprio Dick Cheney, alguém que não parece se importar nem um pouco com elas ou com a reação do público após finalmente ser desmascarado. E é esse desinteresse que torna a sua figura tão intrigante quanto assustadora.

Topo ▲