fbpx

Ajude este site a continuar gerando conteúdo de qualidade. Desative o AdBlock

Hotel Artemis

Hotel Artemis

Matheus Fiore - 3 de setembro de 2018

Hotel Artemis é um caso clássico de filme ruim com boas ideias. Cheio de conceitos interessantes, o suspense sci-fi do estreante Drew Pearce, que dirige e escreve, acompanha um hospital secreto que só atende criminosos. Localizado no centro de uma Los Angeles futurista, o lugar se vê sob perigo após a maior rebelião da história da cidade tomar conta das ruas. A Enfermeira (Jodie Foster) e seu auxiliar, Everest (Dave Bautista) precisam manter o lugar funcionando enquanto cuidam de Waikiki (Sterling K. Brown) e seu irmão ferido, Honolulu (Brian Tyree Henry), do traficante de armas Acapulco (Charlie Day), da mercenária Nice (Sofia Boutella) e do Rei Lobo (Jeff Goldblum). E qual o problema nisso tudo? Cada personagem possui sua própria jornada, o que resulta em um filme de uma hora e meia que condensa todo seu conteúdo e desperdiça o potencial de qualquer um dos arcos.

É muito triste constatar que há uma quantidade imensa de potencial desperdiçado em Hotel Artemis. Com exceção de Acapulco, todos os personagens possuem dramas interessantes e que poderiam facilmente ser a âncora principal do roteiro. Pearce escolhe dois principais, os da Enfermeira e de Waikiki. A personagem de Jodie Foster, que comanda o centro médico que dá nome à obra, tem no Artemis um porto seguro que a ajuda a manter-se longe dos traumas do passado – a trágica morte de um filho; já Waikiki chega ao local com seu irmão mais novo ferido após um assalto mal sucedido. Ambos precisam, de alguma forma, sair do Artemis. Se a Enfermeira transformou seu lar em um casulo, Waikiki tem na fuga sua chance de cortar o laço que o prende ao irmão, que sempre o coloca em problemas.

Várias coisas impedem Hotel Artemis de funcionar. As regras do centro médico, por exemplo, são desrespeitadas o tempo inteiro. Enquanto tenta estabelecer que armas, policiais e conflitos são proibidos, a obra constantemente traz esses elementos – muitas vezes sem explicação nenhuma, como quando Acapulco saca uma arma e ameaça outra personagem sem que o roteiro nunca justifique de onde veio o objeto – sem que antes haja um período para o público adaptar-se às restrições do lugar. Para piorar, quando uma regra do lugar é infringida, a gerente reage com parcimônia e desdém. Ou seja, além de as regras não serem realmente fortes, a ruptura destas não resulta em punição ou no mínimo discussão.

É nítido também que há elementos menores de Hotel Artemis que só estão lá unicamente para alavancar elementos maiores. O próprio traficante Acapulco, por exemplo, só serve para que Nice possa expor suas habilidades de assassina e explicar, tim-tim por tim-tim, qual a sua missão, o que resulta em uma enxurrada de diálogos expositivos que esfregam na cara do espectador todas as informações possíveis. Aliás, eis outro grande problema de Hotel Artemis: praticamente toda a trama é dependente de personagem “A” explicando o que fez, faz ou fará para personagem “B”, algo muito pouco cinematográfico.

Outro ponto extremamente subaproveitado é a rebelião que gera o caos em Los Angeles. Gerada pela escassez de água, a revolta inicialmente nos dá a impressão de que ou será importante no clímax da trama, ou servirá como ponte para discussões políticas dignas de uma bela ficção científica – a Enfermeira, por exemplo, afirma em dado momento: “estamos na América, 85% dos ferimentos são balas”, frase que carrega forte carga política e que nunca é transformada em uma ideia concreta. O fato é que a rebelião existe única e exclusivamente para justificar o isolamento dos personagens no local, o que, sinceramente, até funciona, mas acaba sendo mais um elemento que infla a trama por estar, o tempo inteiro, interferindo nas jornadas de cada personagem.

Um dos acertos de Hotel Artemis é o submundo do crime no qual os personagens operam. Há uma mitologia interessante, que lembra bastante o trabalho feito em John Wick, criando desde uma sociedade de criminosos até uma rede de centros médicos espalhados pelo mundo, com regras rígidas e plano de assinatura, como se fosse um plano de saúde. Aqui, porém, há um infeliz conflito na construção, já que apesar de o excesso de detalhes tornar esse universo bastante crível, a forma como os personagens quebram todas as regras do Hotel Artemis invalida essa verossimilhança e retira qualquer resquício de seriedade que poderia haver.

As motivações dos personagens, apesar de interessantes por exporem fragilidades humanas, acabam sendo atropeladas pelo roteiro. A perda de um ente querido ou a descoberta de uma informação que vira uma vida do avesso são fatos que influenciam nos personagens por poucos minutos, pois eles prontamente são jogados na ação e esquecem do que acabou de acontecer. Não há, portanto, espaço para o luto, o que faz com que não haja também espaço para que o público absorva esses dramas.

O mais impressionante de Hotel Artemis, porém, é como todos os seus problemas acorrentam o estudo de personagens proposto por Pearce. No caso da Enfermeira, a necessidade de atender seus vários pacientes faz com que, em vez de termos algum desenvolvimento mais orgânico sobre sua personalidade, ficarmos boa parte do tempo assistindo à personagem de Jodie Foster operando e aplicando sedativos aos seus pacientes.

Com Waikiki, o problema é ainda maior, já que pelo pouco tempo para desenvolver a relação entre ele seu irmão, o roteiro acaba recorrendo a diálogos que mastigam diretamente a análise proposta. Não há, portanto, sequer uma construção visual que dê alguma nuance à relação. No meio da obra, temos a impressão que Pearce abandonou completamente o estudo familiar de Waikiki e Honolulu, e passa a apostar em um interesse amoroso para o bandido: a mercenária Nice. O problema é: em um filme já inchado, criar um subplot para o personagem apenas deixa mais pontas soltas e menos espaço para aprofundar o que já foi apresentado.

O mais triste é pensar que, dentro de cada personagem específico de Hotel Artemis, há potencial para uma trama individual bem atraente. Com poucas exceções, os estranhos criminosos são interessantes por seus conceitos e se relacionam muito bem com o universo criado. Drew Pearce cria uma mitologia cativante e personagens com potencial, mas não demonstra maturidade para administrar o tempo de tela de cada um; há de se relegar, ao protagonista, o tempo necessário para que este justifique seu posto, e até nisso Pearce falha miseravelmente. Uma pena que, no fim das contas, Hotel Artemis seja apenas um filme ruim que guarda, em seu âmago, uma caixinha cheia de boas ideias.

Topo ▲