fbpx

Ajude este site a continuar gerando conteúdo de qualidade. Desative o AdBlock

Jornada Amaldiçoada: Harry Potter e o Enigma do Príncipe

Jornada Amaldiçoada: Harry Potter e o Enigma do Príncipe

Gustavo Pereira - 20 de outubro de 2016

Pouco depois de reler este livro, estava arrumando uma gaveta com velharias e encontrei um cartão de Natal de uma pessoa com a qual não falo mais. Foi curioso ler palavras tão gentis de uma pessoa que não me suporta. Parecia parte de outra vida. Mais curioso foi que não senti desgosto deste cartão. Na verdade, continuo gostando dele. A pessoa que o escreveu estava sendo sincera em cada palavra, o tempo que passou não interfere no sentido que elas tem hoje. Tudo mudou, mas o cartão de Natal está congelado no tempo como a marca da época em que duas pessoas eram amigas.

Aponte uma varinha para uma pessoa e grite "cortar para sempre", não há de acontecer nada de ruim

Aponte a varinha para uma pessoa e grite “cortar para sempre”, não há de acontecer nada ruim

Esse preâmbulo faz perfeito sentido para minha resenha porque o ponto central do sexto livro da série Harry Potter é exatamente a relação de Harry com um livro que pertenceu a uma figura desconhecida, o Príncipe Mestiço, e que se torna uma espécie de mentor da sua vida acadêmica. A ideia já havia sido explorada em A Câmara Secreta, mas há uma sutil diferença: o livro do Príncipe não interage com o seu leitor, sendo um registro fiel do proprietário em seu período na escola.

Esta abordagem é consonante com o tom geral do livro: a compreensão do presente se dá na compreensão do passado. Os personagens em Harry Potter (e na vida) não são dramaticamente diferentes no seu passado, mas as escolhas que fizeram no decorrer de suas vidas os colocaram em polos opostos. Algumas vezes conscientemente, outras por puro acaso.

– Mérope se recusou a empunhar a varinha até mesmo para salvar a própria vida.

– Não quis viver nem para o filho?

Dumbledore ergueu as sobrancelhas.

– Será possível que você esteja sentindo pena de Lorde Voldemort?

– Não – apressou-se Harry a negar –, mas ela teve escolha, não é, não foi como a minha mãe…

– Sua mãe também teve escolha – disse Dumbledore, gentilmente. – Mérope Riddle preferiu morrer apesar do filho que precisava dela, mas não a julgue com tanta severidade, Harry. Ela estava enfraquecida pelo longo sofrimento e nunca teve a coragem de sua mãe.

Riddle, o Enigma

O que separa Voldemort de Harry? A própria profecia revelada em A Ordem da Fênix diz “o Lorde das Trevas o marcará como seu igual”. A infância dos dois não foi nenhum conto de fadas; não fosse o seu passado notável, Harry talvez tivesse a mesma dificuldade para ter amigos em Hogwarts que Tom teve (com o agravante de que Harry nunca foi um bruxo brilhante como Tom), e mesmo o seu passado atrai atenção demais para si, criando uma barreira que impede a maioria das pessoas de verdadeiramente conhecê-lo. Se não fosse marcado por Voldemort, talvez Harry tivesse uma vida igual à do Príncipe, e por isso se sente tão próximo ao livro que fora dele.

Voldemort pedindo emprego de professor em Hogwarts

Voldemort pedindo emprego de professor em Hogwarts: o lugar mais próximo de um lar para ele (e Harry)

– Mas eu não tenho perícia e poder incomuns – protestou Harry, sem conseguir se refrear.

– Tem, sim – disse Dumbledore com firmeza. – Você tem um poder que Voldemort nunca teve. Você pode…

– Eu sei! – interpôs Harry impaciente. – Sou capaz de amar! – E foi com extrema dificuldade que deixou de acrescentar: “Grande coisa!”

– É, Harry, você é capaz de amar – replicou Dumbledore, que parecia saber perfeitamente o que Harry acabara de calar. – O que, considerando tudo que lhe aconteceu, é um sentimento poderoso e notável. Você ainda é jovem demais, Harry, para compreender a pessoa extraordinária que você é.

Horcruxes

Quando Dumbledore diz que vai dar aulas a Harry, ele, Rony e Hermione especulam sobre o que seriam tais aulas. Harry chega ao escritório do professor esperando se tornar um mestre de duelos. Para sua grande surpresa, o professor quer lhe mostrar memórias. Quer que ele compreenda pelo que Tom Riddle passou antes de se tornar Voldemort e o quanto Harry e ele tem em comum. Saber o quanto uma pessoa é similar a alguém tão cruel explicita as diferenças fundamentais entre um e outro. A grande lição de Dumbledore para Harry era sobre o valor do amor. Mais do que isso, as aulas no escritório do diretor eram sobre compaixão.

O Enigma do Príncipe é uma história de guerra. E, durante guerras, as pessoas acabam perdendo a sensibilidade para o caos como um mecanismo de defesa que as permite seguir adiante. Rony pergunta mecanicamente a Hermione se o jornal publicou a morte de algum conhecido; o novo professor de Poções, Horácio Slughorn, reúne alunos que ele considera promissores para fazer networking, e fazendo estas escolhas acaba involuntariamente tornando o futuro destes alunos mais promissor do que o dos demais. Ele é, contudo, o manifesto de Rowling de que os alunos da Sonserina não são necessariamente ruins. Slughorn é apenas vaidoso, o outro traço que Salazar Slytherin apreciava em seus alunos e que acaba sendo associado de tabela a bruxos vis. Todos temos o potencial de nos deixar levar por algo ou alguém, mesmo sem maldade intrínseca à nossa natureza. Horácio foi iludido por Riddle e as consequências foram dramáticas. Sua defesa foi esquecer. Assim como a defesa de Mérope foi morrer.

Gemialidades Weasley: esforço louvável de dar ao mundo o mínimo de leveza

Gemialidades Weasley: esforço louvável de dar ao mundo o mínimo de leveza

Há também uma profunda descrença da autora no establishment. Algo que é recorrente na série. Talvez um reflexo do passado da própria Rowling, que viveu maus bocados às custas de programas sociais enquanto ainda não tinha concebido Harry Potter mas já era mãe, a verdade é que ela e seu protagonista não confiam em governo nenhum.

Os senhores nunca entendem muito bem, não é? Ou temos Fudge, fingindo que tudo está ótimo enquanto as pessoas são assassinadas debaixo do nariz dele, ou temos o senhor, metendo as pessoas erradas na prisão e querendo fingir que “O Eleito” está trabalhando para o Ministério!

Harry. Um Natal muito gelado

E é impossível fazer uma resenha minimamente decente deste livro sem falar das Horcruxes (“receptáculos impuros” em Inglês Medieval) e como Rowling tem uma quase reverência pela morte. Influenciada pelo trauma de ver sua mãe, uma professora alegre, que tocava violão para a família, definhar de esclerose múltipla, a morte é o único mal que não pode ser reparado pela magia; cada personagem tem uma forma diferente de encarar a morte e isso afeta diretamente em suas personalidades; e driblar indefinidamente a morte, um feito que desafia a ordem natural da vida (estou excluindo o Elixir produzido com a Pedra Filosofal por não ser uma solução eterna, bastando parar de bebê-lo para morrer), demanda de um ritual tão macabro como dividir a alma matando outras pessoas. Mas Rowling aguardou quase 6 livros para trazer o conceito da horcrux, de modo que pudéssemos também entender o que motivou Tom Riddle a fazer o que fez. Falta de amor, abandono e uma mania de grandeza negligenciada por praticamente todos os seus professores, resultando em um jovem incapaz de amar. A única diferença entre ele e Harry, afinal de contas.

Acho que ele não compreende por quê, Harry, ele teve tanta pressa de mutilar a própria alma, que nem sequer parou para compreender o poder incomparável de uma alma imaculada e inteira.

Dumbledore. Horcruxes

Espero que os leitores com alguma idade nas costas, como eu, terminem este livro e se questionem sobre o tema do aborto (não estou falando de bruxos que tenham nascido sem poderes). Mérope Gaunt era uma moça introvertida e infeliz, maltratada pelo pai, humilhada pelo irmão e menosprezada pelo homem que amava. Pobre e solitária, sem nenhuma condição para ter um filho ou mesmo para entender o que significava ser mãe. Se alguém tivesse lhe estendido a mão a tempo, ela talvez tivesse entendido isso antes de dar à luz um bebê que não tinha lugar no mundo naquele momento. Não é qualquer uma que pode ser mãe a qualquer hora.

A miserável casa da família Gaunt

A miserável casa da família Gaunt

Harry Potter é ficção, mas o mundo real está cheio de Méropes perdendo a vida fora por conta de gravidezes inconsequentes. Em vez de apontar dedos, estenda mãos. Amor salva.

A morte é mais leve que uma pluma. A responsabilidade de viver é mais pesada que uma montanha

A morte é mais leve que uma pluma. A responsabilidade de viver é mais pesada que uma montanha

Topo ▲