fbpx

Ajude este site a continuar gerando conteúdo de qualidade. Desative o AdBlock

Punho de Ferro – 2ª temporada

Punho de Ferro – 2ª temporada

Uma temporada boa de ideias e péssima de execuções sela o destino de Danny Rand na Netflix

Gustavo Pereira - 10 de setembro de 2018

Ao exibir o símbolo taoista do Yin-Yang no primeiro frame, “Punho de Ferro” deixa escancarado que o tema da sua segunda temporada é a dualidade do Universo. Num nível mais específico, que os opostos são complementares e precisam coexistir em equilíbrio. Caos e ordem, bem e mal, masculino e feminino. Há um pouco de cada em todos e, sem um, não há o outro.

Punho de Ferro segunda temporada 2 Netflix Marvel

A série da Netflix/Marvel realmente trabalha esse conceito em seus dez episódios. O problema, assim como em sua primeira temporada, é fazê-lo com um dos roteiros mais mal escritos de todo o MCU. Um sinal disso é a quantidade exorbitante de vezes em que os personagens, dos mais variados níveis de relevância, falam frases como “eu sei”, “você tem razão” e “é verdade”. Como falta competência para criar situações nas quais os personagens evoluam, o conhecimento lhes é dado em diálogos (estes também pedestres, para dizer o mínimo). Se há boas intenções nas ideias propostas, suas execuções deixam a série no limite do suportável, em alguns momentos cruzando esta fronteira e sendo apenas cansativa de assistir.

A melhor expansão na mitologia de “Punho de Ferro” é a noção de que o poder do dragão Shou-Lao é, em si, uma força independente, que encontra no Punho de Ferro um “hospedeiro” e pode, consequentemente, ser transferido. Essa relação de troca implica na necessidade de um centro de equilíbrio e um propósito bem definidos na mente de Danny Rand (Finn Jones), ou o poder se torna nocivo. Seria o equivalente a um vício, algo relacionável com Ward (Tom Pelphrey).

Uma das regras de ouro da narrativa é “não fale, mostre”. Outra forma de entender essa regra é “se não for mostrar, não fale”. E a relação entre o poder do Punho de Ferro e a dependência química é tão interessante, cria tanto potencial para uma abordagem madura a uma história mirabolante de dragões e mãos brilhantes que o fato dela ser abordada em um diálogo e depois solenemente ignorada para sempre a transforma num ponto negativo da série, como um jogador de futebol capaz de colocar a bola no meio das pernas de um adversário no meio-campo apenas para errar um passe de cinco metros e devolver a posse para o outro time. Era melhor ter ficado no banco de reservas.

Punho de Ferro segunda temporada 2 Netflix Marvel

Outro problema fundamental de “Punho de Ferro” é a inabilidade para trabalhar com múltiplos personagens, que se tornam apenas dispositivos para avançar com a história. O melhor exemplo é Mary/Walker (Alice Eve), que tem talvez o melhor background possível: uma militar que desenvolveu Transtorno Dissociativo de Identidade durante cárcere em zona de guerra – é a mesma condição do protagonista de “Fragmentado”. Mas, mesmo com todo esse potencial – essa crítica fala muito sobre potencial –, ela não é mais do que uma desculpa para Davos (Sacha Dhawan) e Joy (Jessica Stroup) conseguirem informações sobre Danny. A forma como ela alterna suas personalidades vira um gatilho pobre de tensão (“personalidade X está fazendo algo e perde o controle para personalidade Y, incapaz de desempenhar a função”).

Isso se aplica também às tramas paralelas. Enquanto “Luke Cage” usa os eventos do primeiro episódio para desenrolar todo o novelo da temporada, há passagens inteiras – e longas – de “Punho de Ferro” que não servem para absolutamente nada, são revisitadas de tempos em tempos apenas para que a própria audiência lembre que elas existem e, quando muito, oferecem um gancho para uma terceira temporada que, ainda bem, não existirá. Pelo menos, não na Netflix.

Punho de Ferro segunda temporada 2 Netflix Marvel

Não existe história ruim. Existe história mal contada. “Punho de Ferro” tem uma segunda temporada melhor do que a primeira (seria difícil piorar), mas propõe discussões com a profundidade de quem lê um artigo na Wikipédia. Para as quase dez horas de duração da série, é pouco. Muito pouco.

Você pode assistir a todos os episódios de “Punho de Ferro” clicando aqui. Mais conteúdo relacionado à Marvel aqui.

Topo ▲