fbpx

Ajude este site a continuar gerando conteúdo de qualidade. Desative o AdBlock

Girlboss 1×03 – Obrigada, São Francisco

Girlboss 1×03 – Obrigada, São Francisco

Gustavo Pereira - 21 de abril de 2017

“Obrigada, São Francisco” é precedido por “A hérnia”. Para ler a crítica do segundo episódio de Girlboss, clique aqui.

Este episódio é problemático. Uma pena, porque poderia ser tão bom quanto os outros dois. Até começa bem, mas se perde em algumas escolhas de roteiro infelizes e uma piada de péssimo tom. Mesmo a direção mais solta de Christian Ditter, se permitindo a firulas, não consegue salvar uma proposta mal nascida.

Sophia percebe que precisa de um bom nome para sua loja virtual no eBay. E exatamente decidir qual será este nome é o desafio em “Obrigada, São Francisco”. É logo no começo do episódio que tem lugar o maior feito técnico da série até aqui: uma passagem de tempo que aparenta não ter cortes de Sophia ocupando todas as partes de sua casa enquanto Spinning Wheel, um excelente jazz-rock da banda Blood, Sweat & Tears, ocupa a trilha. Parece bobo, mas ao parar para refletir, é possível que você pergunte “como eles fizeram isso?”.

Existem algumas referências a conceitos de marketing interessantes aqui. A convicção de Sophia que vender uma marca é vender uma projeção da pessoa por trás da marca é perfeita.

Percebendo que sua casa não vai lhe dar a inspiração necessária, decide sair pela cidade e convida Shane (Johnny Simmons, o baterista do primeiro episódio) para acompanhá-la. A intenção do roteiro é transformar São Francisco em uma personagem independente, capaz de interagir com as pessoas. Não é inovador, mas também não é simples. E Girlboss falha na tentativa exatamente por não dar à cidade a oportunidade de falar por si. Tudo se resume à perspectiva de Sophia, que a considera “mágica”, contra a de Shane, que a detesta. Não há um momento em que a “verdadeira” São Francisco apareça. Logo, o espectador não pode decidir se ela é mágica ou horrível.

Sophia e Shane: visões antagônicas de São Francisco

E, falando em horrível, esse problema de roteiro, ou mesmo a falta de carisma de Simmons são toleráveis. Mas, semanas após o lançamento de 13 Reasons Why, que colocou tantos questionamentos na cabeça da juventude, transformar movimentos sociais sérios em caricaturas para piadas ruins é muita falta de sensibilidade da Netflix. Não estou aqui para dar spoiler, mas quem assistir a “Obrigada, São Francisco”, saberá de qual momento estou falando.

Sophia “precisa de espaço”: eu me contentaria com um texto bom

O episódio também não sabe a hora de abandonar uma ideia para seguir em frente. O tempo perdido para a escolha do nome é longo demais, mesmo numa série com episódios durando 30 minutos. Os erros são tão primários e cortam tanto o ritmo agradável da série que os acertos ficam pequenos, como a bela rima visual entre o começo e o final de “Obrigada, São Francisco”, mostrando Sophia insegura diante do dilema sobre o nome de sua loja e depois confiante com a escolha certa.

Minha reação com este episódio abaixo da média

Tire suas próprias conclusões assistindo a todos os episódios de Girlboss aqui.

Para ler a crítica do quarto episódio, “Ladyshopper99”, clique aqui.

Topo ▲