fbpx

Ajude este site a continuar gerando conteúdo de qualidade. Desative o AdBlock

Duas Rainhas

Duas Rainhas

Mulheres em um mundo de homens

Gustavo Pereira - 3 de abril de 2019

“Duas Rainhas” conta a história de mulheres governando uma sociedade moldada por homens. Ao começar o filme com a execução de Mary Stuart (Saoirse Ronan), a diretora Josie Rourke elimina o fator surpresa e deixa claro que sua obra não é um thriller político sobre qual das duas, Mary ou Elizabeth (Margot Robbie), vai vencer essa disputa pelo poder, mas sim um estudo sociológico sobre porque uma delas termina o filme com a cabeça em cima do pescoço e a outra, não.

Duas Rainhas Mary Queen of Scots Saoirse Ronan Margot Robbie Oscar Mary Stuart Elizabeth I

Um pouco de contexto histórico pode ajudar: Stuart foi a primeira Rainha da Escócia, enquanto Elizabeth I sucedeu o reinado curtíssimo – e tumultuado – de Mary Tudor. Se em pleno 2019 somos agraciados com o presidente da sigla presidencial falando que “política não é muito da mulher“, uma mulher no poder no século XVI era vista com sentimentos que variavam da desconfiança à repugnância. O conflito religioso envolvendo católicos e protestantes era o pavio curto deste tonel de pólvora.

Mary tinha um direito hereditário ao trono mais forte que o de Elizabeth. Os esforços da corte inglesa são exatamente para impedir que ela monte um caso capaz de reclamar esse direito, o que não apenas unificaria Inglaterra e Escócia, como também devolveria aos católicos o poder perdido na Reforma Anglicana. O Conselho de Elizabeth espera da Rainha da Inglaterra uma resposta firme à ameaça.

Duas Rainhas Mary Queen of Scots Saoirse Ronan Margot Robbie Oscar Mary Stuart Elizabeth I

“Duas Rainhas” constrói suas protagonistas em oposição quase simétrica. Mary é tudo o que Elizabeth não é: jovem, bela, leve. Enquanto a Rainha da Escócia busca um marido, a Rainha da Inglaterra foge desse compromisso porque o homem que ama não está à altura de seu status social. Enquanto uma usa vestidos de cores vivas, a outra se enfurna em cores sóbrias e opacas. Uma tem a centelha de vida faiscando, a outra abdica cada vez mais da individualidade em nome do dever. Mary quer ser uma rainha, enquanto Elizabeth quer ser um rei.

Duas Rainhas Mary Queen of Scots Saoirse Ronan Margot Robbie Oscar Mary Stuart Elizabeth I

O único momento em que Elizabeth usa cores saturadas é numa aparição pública (imagem inferior direita). A maquiagem também funciona como uma máscara, ocultando sua personalidade individual

É interessante notar como Rourke retrata a punição à feminilidade em seu filme. Elizabeth tem a Coroa porque adotou a religião de seu pai e abdicou de seus desejos pessoais em nome da estabilidade política. Mary, por manter o catolicismo de sua criação, é vítima de uma campanha difamatória do pastor John Knox (David Tennant). É a sua misericórdia em momentos-chave da contenda, buscando proteger a família, que acaba sendo a sua desgraça. Enquanto Mary se destaca nos quadros, Elizabeth se funde a eles. As principais confidentes de Mary são mulheres; Elizabeth está cercada por homens. A nenhuma das duas são concedidas as alegrias que desejavam.

O roteiro de Beau Willimon – “House of Cards” – merece elogios por conseguir tratar de conceitos como feminismo e sororidade durante o Período Elisabetano, mas peca exatamente no que fez seu grande trabalho tão marcante: o pano de fundo político. Não são raras as ocasiões em que um movimento numa corte precisa ser explicado pela outra para que o espectador o entenda. “Duas Rainhas” também tem um desequilíbrio entre o tempo de tela de cada rainha, com Elizabeth ficando longos períodos esquecida pela história, o que impede o trabalho brilhante de Margot Robbie de desabrochar como o de Saoirse Ronan, que tem condições para construir sua Mary de forma mais orgânica.

Duas Rainhas Mary Queen of Scots Saoirse Ronan Margot Robbie Oscar Mary Stuart Elizabeth I

Mary usa inúmeros vestidos azuis ao longo de “Duas Rainhas”: cor associada à realeza, à serenidade e à razão, mas também à tristeza

Isso fica claro no esperado encontro das duas rainhas, ponto alto do filme. Ali, mais do que o confronto de duas aspirantes ao Trono, há o confronto de ideias sobre como uma mulher pode prosperar num mundo criado e até então governado por homens. O filme dá pistas sobre essa resposta ao longo de suas quase duas horas, mas nesse diálogo é categórico: não pode.

Topo ▲