Ajude este site a continuar gerando conteúdo de qualidade. Desative o AdBlock

Nicholas Correa

Editor / nicholascnegreiros@gmail.com

Mineiro e estudante de Comunicação Social em Cinema e Audiovisual

Todos os posts de Nicholas Correa

De Bakersfield Para Mojave
Nota:

De Bakersfield Para Mojave

Quando James Benning lançou RR em 2007, um aspecto interessante o destacava de seus outros empreendimentos até então. Nos seus filmes anteriores, a duração de cada plano era arbitrária. Em […]

Nicholas Correa / 18 de julho de 2021
Shiva Baby
Nota:

Shiva Baby

O filme de estreia de Emma Seligman parte de uma premissa simples e sem muitas pretensões, mas que rapidamente se desgasta.

Nicholas Correa / 6 de julho de 2021
O gestualismo de Marie Menken

O gestualismo de Marie Menken

Dentro das formas líricas e românticas que dominaram o campo do cinema de vanguarda até os anos 60, Marie Menken nos oferece um caso emblemático para a compreensão de um período que contava com um rico intercâmbio de ideias de várias práticas artísticas.

Nicholas Correa / 18 de junho de 2021
A Mulher na Janela
Nota:

A Mulher na Janela

A Mulher na Janela estabelece um jogo de referências cinematográficas que não consegue desenvolver bem suas ideias.

Nicholas Correa / 14 de junho de 2021
Druk: Mais Uma Rodada
Nota:

Druk: Mais Uma Rodada

Druk propõe uma experiência catártica ao narrar uma experiência peculiar com a bebida e o cotidiano.

Nicholas Correa / 23 de abril de 2021
O Tigre Branco
Nota:

O Tigre Branco

O Tigre Branco se coloca como engajado na questão das relações de classe, mas se perde em comentários rápidos e cáusticos.

Nicholas Correa / 31 de março de 2021
Luz nos Trópicos
Nota:

Luz nos Trópicos

Paula Gaitán faz uma viagem pelo passado e pelo presente do continente americano.

Nicholas Correa / 29 de janeiro de 2021
Tenet
Nota:

Tenet

Que não se engane, Tenet não é um projeto tão iconoclasta quanto parece, sua ambição no fundo ainda é bastante clássica. Tomando o jogo de entropia, o filme se dá o luxo de navegar por várias temporalidades pura e simplesmente: não basta ver um prédio se refazendo após uma explosão, o filme mostra o prédio se refazendo e explodindo ao embaralhar os pontos de vista.

Nicholas Correa / 22 de dezembro de 2020
Topo ▲